8 de Março de 2014

Report: notícias

em busca de um papel - mobilidade urbana e as empresas

“Existe, afinal, alguma responsabilidade das corporações nas questões de mobilidade urbana?”

O consultor e professor Maurício Born tem estudado as questões de mobilidade urbana a partir de um ponto vista especial: qual o papel das empresas na resolução dos problemas de mobilidade urbana?

O trabalho de Maurício, em parceria com a Report, resultou na implantação de um programa piloto na área financeira do grupo Serasa, com foco no desenvolvimento de projetos de redução de custos.

O diagnóstico terá duas etapas. A primeira de levantamento das políticas, e práticas da empresa que tenham relação com a mobilidade dos funcionários. A segunda consistirá em uma pesquisa para levantar os padrões de deslocamento diário dos funcionários, por meio de questionário online, entrevistas e painéis. No final, o resultado será um documento com um conjunto de recomendações personalizadas para a empresa, baseado nos dados da pesquisa.

Report: Qual o papel das empresas na busca por melhorias na mobilidade urbana?

Maurício Born: No Brasil, o tema da mobilidade urbana cresceu em importância nas grandes cidades, potencializado pelas situações caóticas que vivemos no dia a dia, pelas recentes manifestações por mais qualidade no transporte público e até por marcos legais, como a Política Nacional de Mobilidade Urbana, que exige até abril de 2015 um plano para cada município com mais de 20 mil habitantes. O assunto é complexo porque tem fortes componentes culturais, econômicos, ambientais e sociais. As soluções que dependem de grandes investimentos em infraestrutura ou de mudanças culturais estão na esfera do poder público e são muito complexas e demoradas. Portanto, é no uso eficiente da infraestrutura já existente que as empresas podem melhor exercer suas competências e praticar a responsabilidade corporativa.

Report: É nesse aspecto que se encaixa o conceito da mobilidade corporativa?

Maurício: Sim, a mobilidade corporativa surgiu com esta finalidade. As decisões das empresas sobre sua localização, políticas de horários e benefícios afetam não só o trânsito como a motivação de seus empregados. As empresas líderes já estão refletindo sobre seu papel e influência nas escolhas necessárias para uma trajetória em busca da mobilidade urbana sustentável no Brasil.

Report: Quais diretrizes devem guiar as soluções desenvolvidas pelas empresas em mobilidade urbana?

Maurício: Como em outros desafios da vida moderna, as soluções sustentáveis para a mobilidade urbana e para uma cidade mais inclusiva e com melhor qualidade de vida deverão vir de modelos sociais, econômicos e de negócios inovadores. Existem algumas megatendências, como o conceito de compartilhamento; cidades inteligentes (conectadas por meio de tecnologias de informática e comunicação, além de redes sociais); menores impactos à saúde e ao meio ambiente; participação da sociedade; ética; transparência; novas governanças; instrumentos fiscais que ajudem a direcionar a mudança, entre outros. Pode-se desconfiar de quaisquer soluções fora destes parâmetros.