8 de Junho de 2014

Report: notícias

um olhar sobre os relatórios da temporada

Nossos clientes têm buscado focar no que é material, integrar informações de desempenho financeiro e não financeiro e investir em design intuitivo e multimídia. Confira o que já foi publicado até agora

Com o primeiro semestre chegando ao fim, empresas dos mais diversos portes e setores já disponibilizaram aos seus públicos relatórios anuais ou de sustentabilidade referentes a 2013 – um ano de importantes novidades. Da G4, nova versão das diretrizes GRI, ao primeiro framework de relato integrado do International Integrated Reporting Council (IIRC), as mudanças já se fazem sentir e, nos próximos ciclos, devem transformar de vez o modo com que as organizações divulgam seu desempenho socioambiental.

Dois termos ganharam força ao longo do ano: materialidade e integração. Por um lado, a ideia de focar no que é realmente importante para um negócio, levando em conta a percepção dos públicos impactados e da própria empresa: o princípio da materialidade virou ponto de partida obrigatório para quem utiliza a metodologia de relato da GRI – mais que isso, passou a contribuir para as estratégias corporativas. Seja do ponto de vista de uso de recursos naturais, seja com relação à responsabilidade na cadeia de valor, os temas e práticas levantados na matriz de materialidade servem para transformar a gestão e propor novos caminhos.

Por outro lado, integrar relatórios financeiros e não financeiros se mostrou um desafio e tanto, levando em conta os diferentes níveis de maturidade das empresas (leia aqui estudo da Report sobre o assunto, lançado ano passado). Com o trabalho do IIRC, criou-se um passo-a-passo, mesmo que inicial, para fazê-lo. No Brasil, as tentativas partem principalmente das companhias abertas – que, hoje, têm motivos de sobra para demonstrar sua preocupação com a sustentabilidade e vinculá-la ao modelo de negócios.

As experiências de 2013 ainda demandam acertos de rota, mas já mostram como relatos corporativos podem se tornar mais interessantes para investidores e demais públicos. O avanço na materialidade e na integração mostra organizações que, ao cumprir com as diretrizes GRI ou de relato integrado, acabam repensando sua cultura e sua proposta de valor.

Outro ponto de destaque é a inovação em formatos e linguagem: ao invés de peças únicas, nossos clientes apostaram, nesta temporada, na produção de versões resumidas que buscam envolver mais leitores – e conversar entre si, com conteúdos relacionados ou complementares. Folders, versões online e textos para sites corporativos estão entre os esforços de comunicação.

Além disso, a busca pela visualidade na transmissão de informações ganhou força – ícones, símbolos e infográficos são usados para propor uma linguagem mais dinâmica. Também chamam a atenção o design mais “limpo” e enxuto das peças impressas, com menos efeitos de sombreamento e volume, e o uso de ferramentas responsivas nas entregas de web – o que resulta em sites que funcionam em tablets, smartphones e computadores com diferentes resoluções de tela, com uma navegação intuitiva e amigável.

Abaixo, listamos alguns dos relatos construídos e já lançados no mercado em que a Report atuou nas etapas de redação, edição, consultoria GRI, materialidade e design. Entre inovações e apostas, demonstram caminho futuros que devem marcar os próximos balanços corporativos do mercado brasileiro.

Natura

Avanços na descrição do modelo de negócios e a adesão à G4 são boas novidades do Relatório Anual – que formalizou a adesão da empresa às diretrizes de relato integrado do IIRC. A versão online é o carro-chefe, e ainda há uma versão impressa resumida e um PDF com informação GRI em profundidade.

Brasil Kirin

Além da pegada de comunicação de desempenho, o segundo Relatório de Sustentabilidade da Brasil Kirin está sendo usado para estabelecer as linhas gerais da governança da sustentabilidade da empresa. A adesão à G4 gerou adaptações nos indicadores, mais focados nos temas prioritários.

Unilever

Mais enxuto e com parte de seus conteúdos hospedada no site da companhia, o Relatório de Sustentabilidade 2013 foi marcado pela revisão da materialidade – deixando-a em sintonia com o Plano de Sustentabilidade – e pelo lançamento de uma versão impressa compacta, focada nos temas do plano global.

Duratex

Com três pilares temáticos – diálogo e relacionamento, gestão e desempenho ambiental e transparência e responsabilidade nos negócios –, o Relatório Anual e de Sustentabilidade aderiu à versão G4 e apresenta, de forma abrangente e objetiva, o modelo de negócios da empresa, em sintonia com as diretrizes do IIRC.

Bradesco

A partir de 2013, a comunicação de desempenho do banco passa a ser apenas pelo Relatório Anual – não há mais um Relatório de Sustentabilidade separado das informações financeiras. A ideia é apresentar informações de desempenho socioambiental e econômico de maneira integrada.

Grupo LATAM Airlines

O Relatório de Sustentabilidade 2013 foi o primeiro a comunicar, de forma unificada, o desempenho das companhias aéreas TAM e LAN. O processo de materialidade foi realizado simultaneamente por equipes da Report no Brasil e no Chile, com consulta a executivos, clientes, fornecedores e especialistas. Com base nos temas relevantes do negócio, aprovados pela presidência do Grupo, também foi lançada uma versão impressa resumida em três idiomas.