8 de Dezembro de 2015

Report: notícias

IIRC e Accountability lançam guias para materialidade e engajamento

Acabaram-se os relatórios sem materialidade. Pelo menos para quem segue a Global Reporting Initiative. A G4, mais recente versão das diretrizes GRI, exige que as organizações relatoras utilizem o princípio de materialidade para identificar quais questões críticas do negócio precisam ser focadas pela gestão e, claro, relatadas.

É nesse contexto que surgem duas publicações que reforçam a necessidade de as empresas se atentarem para os impactos relevantes, na perspectiva do negócio e na perspectiva dos seus públicos estratégicos. O Conselho Internacional do Relato Integrado (IIRC, na sigla em inglês) divulgou o guia “Materialidade em <IR> - Guia para a preparação de relatos integrados”. Embora continue orientado para os provedores de capital, o IIRC evolui ao reconhecer que a criação de valor vai além do valor financeiro e que a perspectiva de outros stakeholders merece ser considerada.

Daí a importância das “Diretrizes de Engajamento de Stakeholders da AA1000”, aguardadas desde 2008, quando foram lançados os outros documentos da série AA1000. Se o engajamento de stakeholders é uma jornada, o guia da AA1000 traz um mapa rico em elementos que ajudam a construir esse caminho.

Embora não traga cases (como o faz o guia do IIRC), o documento orienta, por exemplo, a medir o nível de engajamento e relacionar essa informação a uma série de métodos de engajamento. E tudo faz sentido dentro do pensamento integrado, pois estabelecer um engajamento de boa qualidade ajuda a determinar com mais precisão as questões materiais que melhoram a gestão e o relato.

Para acessar os documentos:

Guia Materialidade em IR - clique aqui

Diretrizes de Engajamento de Stakeholders AA1000 – 2015 - clique aqui